Post | Etnografia com Amnah Asad no Planner Summit 2015 #PSnaCasper

O dia começa com um café da manhã para aquecer os motores para a primeira palestra do dia, com Amnah Asad, da Flagcx, com evento apresentado e intermediado por Jeff Paiva, no sábado 16 de maio, em São Paulo. Com auditório da Cásper Líbero cheio e de acordo com o programado se iniciava o Planner Summit 2015, organizado pela Media Education e pela própria Faculdade, em torno das 9h, com o dia ensolarado do lado de fora.

Amnah trouxe o tema “Etnografia e consumer insights: antes de falar, escute!” falando principalmente sobre a força das pesquisas em projetos inovadores e assertivos. Ela observou o que e como tem se falado e abordado sobre pessoas das classes A, B ou C em pesquisas, como quase um zoológico humano, defendendo que se deveria quebrar esse “olhar distante”, pois são pessoas “normais” e não “aqueles” da classe A,B ou C.

Amnah trouxe os temas “Risqué homens que amamos” x “Brand Feminism” sobre os quais abordou o case recente e e contraditório da marca de esmaltes, envolvendo o lançamento de produtos com frases que elogiam os homens por tarefas tidas como cotidianas. Levanta-se então o sentimento de “ajuda” do homem quando em tempos atuais perdeu-se esse sentido, uma vez que esse “homem” poderia participar da campanha de outro modo, como “-Não achando ruim dele ganhar menos que ela“, lançou a palestrante sobre a questão.

O tema feminismo também foi considerado quando ela abordou que esse comportamento está sendo relacionado na comunicação assim como produtos sustentáveis, fazendo parte de uma categoria de “bandeira” a ser “advertida” ao consumidor em consulta ao produto.

Outros 2 temas contrapostos, o “Pre Digital Moms” x “Milenium Parents“, comparando com a nova mãe atual, aquela com filhos até 5 anos, como ela, que apresenta comportamento do online mais integrado. Como a mãe ou futura mãe que já baixou aplicativos no mobile, consultou blogs e videos no youtube sobre a maternidade, e ainda completando que  “a Geração Millenium já aconteceu”. Amnah reforçou a necessidade de diversas disciplinas para se chegar aos insights, comentando sobre Etnografia, Teoria e Prática, que além da Netnografia/Etnografia Virtual, deve-se ir a campo também, “-A realidade supera a teoria”.

Apresentou também uma tendência macro que identificou em suas pesquisas, a “Unclassed Consumption” que fala de um comportamento similar de classes sociais no consumo, como aquele cara de férias em um Cruzeiro que pagou à vista a viagem e um outro, no mesmo “barco”, que tenha parcelado em 24 vezes no cartão. Jovens de classes A/B participando de festas do MC Guimé e buscando entretenimentos similares ao de jovens de classes C/D, apresentando perfis de busca por pertencimento.

Em tempo observo o próprio comercial do Trivago torna-se um exemplo de comportamento traduzido no comercial, quando explicitam-se duas pessoas compartilhando de mesmo hotel tendo pago tarifas diferentes.

amnah_asad

“Tudo começa pela empatia, sair da sua pele e colocar-se na pele de outra pessoa para entendê-la.”Amnah reforça a importância de se colocar no papel do outro, entender o ser humano por trás das pesquisas, buscar entender o vilão da história, compreender a real necessidade. Assim ela levantou outro tema sobre verba curta e demanda de pesquisa com recursos escassos, incentivando a não deixar de tentar, pois pode ser possível.

Amnah relata um case no qual havia uma demanda para estudo da prisão de ventre em mulheres, ou seja, um assunto muito delicado e complexo de ser pesquisado. Contou que quando viajaram para o Rio de Janeiro e através de indicações chegaram à pessoas com dificuldades similares, culminando com grupos reunidos no Espaço Nirvana para discutirem o tema.

Com alguns videos com depoimentos mostrados durante a apresentação Amnah revelou que o insight final foi criação de uma peça de teatro, que foi encomendada para roteirização profissional. A peça foi encenada por Drika Moraes para um grupo fechado em virtude da característica do projeto, ocasionado em uma ação de Relacionamento da empresa contratante. Segundo Amnah, as mulheres ouvidas durante a pesquisa se identificaram muito com as cenas “reais” em que a atriz interpretava, baseadas em seus relatos.

Asad destaca o suporte dos Frameworks, uso de Mapas, Post Its, para contribuírem na pesquisa e insights, lembrando insights não são ideias, e ideias são a “execução”, o que o criativo “tem que botar de pé.”, completa.

“Ouvir pessoas e entender o que é relevante para o consumidor” – Niels Kjærgaard-Jensen – Experience Economy – A quarta onda.

 

Por muito ouvimos a questão da empatia, o buscar nas pessoas “de verdade” possíveis insights para ideias novas, que além de metodologias específicas, frameworks e budgets escassos possam permitir os criativos emplacarem projetos inovadores e acima de tudo que traduzam de REAL  necessidade do consumidor. Consumidor este que está comprando entretenimento sem padrão de classes econômicas pré-estabelecidos, sempre em busca de uma experiência por identidade, um pertencimento, como projetado por Amnah Asad em seu conceito de tendência macro “Unclassed Consumption” .

Agora é sua vez, comente!

Por Cristiano Morley, publicitário, fundador do oPlanodeVoo.com

Twitter-icon @oplanodevoo : facebook facebook.com/oplanodevoo :   contato@oplanodevoo.com

Os comentários publicados são de responsabilidade integral de seus autores e não representam a opinião deste blog. Observando que não são permitidas mensagens com propagandas ou conteúdos ofensivos e desrespeitosos.

um comentário

Agora é com você, comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s