Post | O Funk em comerciais

OLLA - ANITTA

Olla – Anitta

OLLA - ANITTA

Trilhas de comerciais tem exercido enorme poder de influência e admiração no consumidor quando bem associadas ao produto que divulga. Recordando os jingles originais “Pipoca com Guaraná” (genial) para Antártica e Fiat “Palio Weekend“. Aliás, a Fiat merece um case à parte por sua extensa relação de comerciais com estreitos laços com a música, como Fiat Idea e o mais recente case “Vem pra Rua“.

Porém, observando criações nascidas não tão originais assim, marcas podem se apropriar de músicas prontas a fim de recriar um significado, unindo as associações positivas de ambos os lados e criando uma terceira via, e assim construindo um novo conceito. Tanto no quesito autoral como indo além, como o interprete apresentando versão exclusiva ou adaptada ao produto. Situações tão sazonais como as forças extremistas que interpreto como as músicas que tem apresentado grande buzz, viralizado nas redes sociais, como entre as top 10 das rádios.

A trilha neste caso ainda reforça a mensagem como “cantor endorser” da marca, com “N” possibilidades no âmbito das forças de marketing – como verticalização em linhas de produtos, canais de divulgação e toda gama promocional.

Que a propaganda busca influenciar o comportamento de compra todos sabemos, mas o uso de trilhas como um dos recursos de apropriação de elementos midiáticos contribue em muito para reforçar esse poder. A C&A faz há muito com suas famosas trilhas de cantoras consagradas, estendendo para nomes de coleções como Beyoncé .

Mais recentemente a batida do Funk carioca saiu dos morros e tem estrelado ou sido estrelado em vários comerciais e na mídia, em alusão ao seu ritmo abusado e informal. Talvez 10 anos atrás não teríamos esse impacto ou mesmo seu uso, que diria intenso, como hoje. De novelas às estrelas metóricas do funk, como Naldo, à mais nova citada na revista Forbes, a MC Anitta, a se considerar o crescimento do poder aquisitivo de classes econômicas como força de consumo.

Em associação ao ritmo mais quente do MC Bola, a C&A ainda apresenta sua versão alterada do “Ela é Top”, em trocadilho escancarado que vai além da oportunidade de mídia.

Outros exemplos ilustram as várias formas de expressão com o Funk como sujeito da ação, como a parceria da Claro com Naldo, Anitta para Olla, Brahma para a Copa, Kuat em seu tom irreverente com o Adnet (ainda nos tempos MTV), Mercedes Bens com Ahh Lec, Lec (com post exclusivo neste blog). No caso de Adnet a marca aproveita de sua veia cômica para apresentar exatamente uma sátira de clipes de rappers.

Observando ascensão clara destes áudios na mídia, cada vez que os interpretes aparecem e tem sua imagem exposta, esperando-se a lembrança à marca, remetendo ao produto naturalmente como um endorser indireto, como em tom de exclusividade.

Olla – Anitta

C&A – Ela é TOP (MC Bola)

Claro – Facebook (Naldo)

Brahma – Quintal

Kuat – Marcelo Adnet

Mercedes – Ahhh Lec Lec

Agora é sua vez, comente!

Por Cristiano Morley, publicitário, fundador do blog OplanoDeVoo

um comentário

  • Concordo com o autor e reforço que a opção pelo funk em comerciais certamente é um dos reflexos da democratização do consumo, operada nos últimos anos.

    Curtido por 1 pessoa

Agora é com você, comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s